segunda-feira, 19 de dezembro de 2011

IURD e o modelo Neopentecostal

Em minhas leituras:

Neopentecostalismo e sociedade

“Encabeçado pela Igreja Universal, o neopentecostalismo é a vertente pentecostal que mais cresce atualmente e a que ocupa maior espaço na televisão brasileira, seja como proprietária de emissoras de TV, seja como produtora e difusora de programas de televangelismo. Do ponto de vista comportamental, é a mais liberal. Haja vista que suprimiu características sectárias tradicionais do pentecostalismo e rompeu com boa parte do ascetismo contracultural tipificado no estereótipo pelo qual os crentes eram reconhecidos e, volta e meia,estigmatizados. [...]

De modo que seus fiéis foram liberados para vestir roupas da moda, usar cosméticos e demais produtos de
embelezamento, freqüentar praias, piscinas, cinemas, teatros, torcer para times de futebol, praticar esportes
variados, assistir a televisão e vídeos, tocar e ouvir diferentes ritmos musicais. Práticas que, nos últimos
anos, também foram sendo paulatinamente permitidas por igrejas pentecostais das vertentes precedentes, com exceção da Deus é Amor, que manteve incólume a velha rigidez ascética. Em todas as vertentes permanece, porém, a interdição ao consumo de álcool, tabaco e drogas e ao sexo extraconjugal e homossexual.”
(MARIANO, R. Estudos Avançados, 18, 2004, p. 124).

“Sem perder necessariamente sua distintividade religiosa, as igrejas neopentecostais revelam-se, entre as
pentecostais, as mais inclinadas a acomodarem-se à sociedade abrangente e a seus valores, interesses e
práticas. Daí seus cultos basearem-se na oferta especializada de serviços mágico-religiosos, de cunho
terapêutico e taumatúrgico, centrados em promessas de concessão divina de prosperidade material, cura física e emocional e de resolução de problemas familiares, afetivos, amorosos e de sociabilidade. Oferta sob medida para atender a demandas de quem crê que pode se dar bem nesta vida e neste mundo recorrendo a instituições intermediárias de forças sobrenaturais. [...]

Com tal estratégia, empregada também nos evangelismos pessoal e eletrônico, atraem e convertem
majoritariamente indivíduos dos estratos pobres da população, muitos deles carentes e em crise pessoal,
geralmente mais vulneráveis a esse tipo de prédica. Não obstante o apelo sistemático à oferta de soluções mágicas configure uma prática usual nas religiões populares no Brasil, observa-se que, no caso neopentecostal, tal procedimento, diferentemente do que ocorre no catolicismo popular, por exemplo, é orquestrado pelas lideranças eclesiásticas e posto em ação nos cultos oficiais e por meio do evangelismo eletrônico.” (MARIANO, R. Estudos Avançados, 18, 2004, p. 124).


«Assim, o ponto de partida da IURD é o pentecostalismo de alguns televangelistas norteamericanos, porém a sua flexibidade é própria de uma entidade que se posiciona bem num ambiente pluralista e concorrencial. A sua identidade é construída por meio das referências aos concorrentes (católicos, afro-brasileiros e kardecistas), com os quais ela se envolve em renhidas lutas simbólicas. A IURD é um empreendimento que nasceu sob a égide da «guerra santa», cuja separação maniqueísta entre Deus e o diabo divide todas as suas atividades e estratégias.» (CAMPOS, L. S. Lusotopie 1999, pp. 355-367).

Teatro
«A Igreja universal é um teatro, onde atores (pregadores e fiéis) participam dramaticamente de um espetáculo de fé. Em seu palco um pastor/ator tangibiliza as forças sagradas diante de uma multidão que, como em um teatro de arena, também participa da encenação, com gestos, no manejo de objetos corriqueiros transformados em cúlticos, na movimentação das pessoas pelo espaço, no balancear dos corpos, nas palmas ritmadas, nas cenas de exorcismo e nas dramatizações de episódios bíblicos. [...]

Com isso reconstrói-se, no interior de uma cultura secularizada, novas ilhas carregadas daquela dinâmica
que emerge do sagrado, integrando ao mesmo tempo as forças que vêm do inconsciente coletivo e se manifestam em uma vida cotidiana tão carente de sentido e significado. A transformação do culto religioso num espetáculo de fé revitaliza o serviço religioso do protestantismo tradicional, quase sempre calcado em
práticas racionalizantes. Dessa forma substitui-se nesse espetáculo o pastor-doutor, ou professor, pelo pastor-ator que se sobressai através do sucesso de suas técnicas de persuasão, recrutamento de adeptos e levantamento de ofertas.» (CAMPOS, L. S. Lusotopie 1999, pp. 355-367).

Templo
«A IURD mantém uma certa atitude dessacralizadora para com o local do culto, pois, Deus habita nas pessoas e tal ligação se expressa por meio de ritos carregados de emoções. Por isso há nessa Igreja uma concepção de templo que difere de outros grupos religiosos de origem protestante. O templo é um «espaço energético» carregado de forças divinas atribuídas ao Espírito Santo. Nele o espaço foi consagrado à Deus e traz as marcas de sua ação vitoriosa sobre as forças do caos e da desordem demoníaca, que vêm da rua. O templo é a «casa de Deus», o lugar «onde um milagre espera por você», como afirma um de seus slogans. [...]

Assim, num mundo habitado por demônios, o templo se apresenta como um território sobre o qual os
demônios não tem poder. Adentrar-se a um templo iurdiano já é meio caminho andado em direção à
obtenção de um milagre desejado. À semelhança do mesmerismo ou das teorias kardecistas, na IURD crê-
se que do templo irradia um «fluído vital» canalizado pelas ondas hertzianas em direção aos receptores de
rádio ou de televisão, materializando-se no copo de água posto sobre o receptor de televisão, que por
causa da «oração forte» do pastor está carregado de um poder de cura vindo do próprio Deus. [...]

A IURD regula os espaços, tempos e movimentos, em ritmos e cadências programados racionalmente,
dentro da concepção urbana de tempo. Os dias e horas são padronizadas, e arbitrariamente divididos
em «correntes» e «campanhas» especiais. A unidade de tempo mínima de seu calendário é o dia e para
cada um deles há uma corrente, que segmenta o público conforme suas necessidades e desejos. Essas
correntes se repetem todas as semanas, enquanto as campanhas e «semanas especiais» são atividades
sazonais, realizadas conforme as exigências e circunstâncias locais.» (CAMPOS, L. S. Lusotopie 1999, pp. 355-367).

Mercado

«A Igreja universal possui uma refinada perspectiva de marketing, pois procura conhecer o seu público,
padronizar os «produtos», transformar as pessoas em participantes do processo de «produção», segmentar
a audiência, oferecendo-lhes exatamente o que se pensa precisar e desejar naquele momento. Isto é, ela
não se contenta em oferecer um «produto genérico», que é o principal benefício esperado pelo consumidor.
Muito pelo contrário, ela oferece um «produto ampliado», o qual é desdobrado em outros produtos como cura, prosperidade, comunidade de apoio e outros mais. [...]

Nos templos da IURD os consumidores religiosos escolhem aqueles produtos que mais se relacionam com
suas necessidades e arquiteturam em sua própria cabeça o produto desejado, conforme as suas aspirações.
Isto é, a Igreja universal oferece um kit contendo os ingredientes de um produto retrabalhado no imaginário
do «consumidor». O preço a ser pago para a satisfação dos desejos na IURD é monetarizado. Daí a importância em sua pregação de temas como «sacrifício do dinheiro», «ofertas de amor», pois «dar o dízimo é candidatar-se a receber bênçãos sem medida», repete o seu fundador.” (CAMPOS, L. S. Lusotopie 1999, pp. 355-367).








5 comentários:

Natanael Genoel disse...

Não entendi nada KKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKK Fala Português né?

Natanael Genoel disse...

Não entendi nada kkkkkkkkkkkkkk Nem quero entender, não busco Igreja perfeita, busco JEsus, não vivo pelo que dizem e sim pela Palavra de Deus.

Anônimo disse...

Sinto muito, mais eu lamento e digo que vc é um mauuuu informado. Esse bloguinho fede a inveja!!!! rsrsrr só lamento pro vcs que criticam... Pode criticar quando mais criticam mais crescemos. rsrsrsrs

Pr. Max Gama disse...

Como sou invejoso... como me sinto a inferiorizado por lobos vorazes disfarçados de piedade e cercados de discurso positivo... fala sério! Não precisa ser um gênio pra perceber o motivo da proliferação da franquias do Macedão.... a insipiência dos manipulados.... Só notificando, o texto está em bom português!
Dica.... Conheça Deus e Sua vontade como deve ser, não como o seu líder diz que é!
Oro, não só por você, mas por essa imensa nação de ludibriados!

Anônimo disse...

Bom eu vivi nesse contexto neopentecostal e posso dizer que até hoje estou com trauma e até hoje buscando uma libertaçao desse movimento diabolico disfarçado de meros pastores que fazem o espetaculo como se fossem um deus intocavel...a falta de humildade é tao absurda que nao vivem o que e viver o genuino Evangelho Cristao da igreja primitiva!E o pior é que nessa igreja o povo é tao manipulado que os mesmos nao tem "nenhum momento" para estudo biblico para que o povo realmente possa compreender as escrituras e serem salvos, libertos, lavados e remidos pelo nome de Jesus.Quem manda e da direçao da palavra é o seu lider e os seus pastores fazem igualzinho o homem quer nao como DEus quer.Virou um empresa de manipuladores afastando um mundo de pessoas da verdadeira compreensão biblica .O foco ali é o homem não é DEus,não é Jesus é como se o povo cegamente desse a eles a vida de reis(vida boa abastarda) que tanto almejam ter pois é muito dinheiro que pedem para manter seu imperio lucrativo.Se afastem desta doutrina quem nela estiver...leem a biblia(estudem adquirem o conhecimento) e verao que a direçao desta doutrina esta completamente distorcida das verdades biblicas.