quinta-feira, 25 de agosto de 2011

2Pe 3.9 - Deus quer salvar a todos?



"O Senhor não retarda a sua promessa, ainda que alguns a têm por tardia; mas é longânimo para conosco, não querendo que alguns se percam, senão que todos venham a arrepender-se" (2Pe 3:9).

Freqüentemente quando uma pessoa ouve um sermão sobre a doutrina da eleição pela primeira vez, ela pergunta: "Mas, que tal 2Pe 3:9?"

Aquele que faz essa pergunta pensa que todos os versículos sobre a eleição são respondidos e silenciados por este versículo. O versículo é tão popular quanto difícil. É difícil para muitos aceitarem o fato Bíblico de Deus "ter elegido desde o princípio" alguns "para a salvação" (2Te 2:13). Para algumas pessoas parece impossível aceitar este versículo (2Te 2:13) e harmonizá-lo com 2Pe 3:9.

A Bíblia realmente é harmoniosa e 2Pe 3:9 harmoniza-se com 2Te 2:13; Ef 1:4, 5; Jo 6:37 e incontáveis versículos. Pedro escreveu "que nenhuma profecia da Escritura é de particular interpretação" (2Pe 1:20). A Escritura deve ser harmonizada. Ninguém deve colocar Escritura contra Escritura.

O escritor pede ao leitor para se unir a esta procura pela harmonia da Palavra de Deus. Isto necessita o mínimo de preconceito possível. Harmonizar estas supostas contradições requer oração, a direção do Espírito Santo e um desejo sincero para aprender o seu verdadeiro significado sem perverter qualquer porção da Palavra Santa de Deus.

O PROBLEMA CENTRA-SE EM "TODOS"

As palavras que geram polêmica no texto (2Pe 3:9) são: "todos", "alguns", "conosco", e "querendo". A maior polêmica concentra-se na palavra "todos", daí ser necessário investigar o seu significado.

UM ESTUDO SOBRE A PALAVRA "TUDO" E "TODOS"

A palavra "todos" é traduzida do grego PAS. Thayer, um lexicógrafo renomado, diz que a palavra significa "todos de um grupo particular" ou "um número". A situação em que uma palavra como essa está sendo considerada determinará as particularidades do seu significado.

Considere a palavra "tudo" como ela é usada em At 1:1. Lucas declara que no seu tratado anterior (O Evangelho de Lucas) ele tinha escrito "de tudo que Jesus começou, não só a fazer, mas a ensinar."

Lucas quis dizer que no seu relatório sobre o ministério de Cristo ele tinha mencionado tudo o que aquele Jesus começou a fazer e a ensinar? Se a pessoa interpreta este versículo como muitos insistem que devemos interpretar 2Pe 3:9 temos que concluir que Lucas trata de tudo, cada coisa, sem exceção de nenhuma, que Jesus começou a fazer e a ensinar.

Se tudo quer dizer cada coisa sem exceção em At 1:1, temos que perguntar-nos por quê Lucas se negligenciou mencionar tantas coisas feitas por Jesus. Por exemplo, ninguém duvidará que o primeiro milagre feito por Jesus foi muito importante. "Jesus principiou assim os seus sinais em Cana de Galiléia, e manifestou a sua glória" (Jo 2:11). Mesmo quando Lucas declara que ele escreveu "de tudo que Jesus começou, não só a fazer, mas a ensinar" ele não faz nenhuma menção deste primeiro sinal, este sinal com o qual Jesus "principiou" os seus sinais.

Logo após o seu primeiro milagre, Jesus assistiu a sua primeira Páscoa durante o seu ministério pessoal (Jo 2:13-25). Lucas não menciona este evento importante. De fato, Lucas não menciona a segunda Páscoa assistida por Jesus durante o seu ministério pessoal (Jo 5:1). Somente a terceira Páscoa é mencionada por Lucas. Nesta ocasião Cristo foi crucificado.

Todos têm que concordar que o dialogo com Nicodemos foi um evento muito importante durante o ministério de Cristo. Neste grande dialogo inclui-se a importância e a necessidade absoluta do novo nascimento. Também inclui-se Jo 3:16, aquele versículo que a maioria das crianças que vão para igreja aprendam desde cedo a citar. Contudo, Lucas não faz nenhuma menção a este assunto que é extremamente importante, embora ele dissesse que ele escreveu de tudo aquilo que Jesus "começou a fazer e a ensinar."

Outros eventos não mencionados por Lucas são:

1. a cura do filho do homem nobre (Jo 4:46-54).

2. o encontro com a mulher Samaritana (Jo 4:1-45).

3. a cura do homem no tanque de Betesda (Jo 5:2-9).

4. Jesus ter andado sobre as águas (Jo 6:15-21).

5. Jesus ter ressuscitado Lázaro (Jo 11).

Lucas mentiu?

Quando Lucas declarou que o seu primeiro tratado foi um relatório "de tudo que Jesus começou, não só a fazer, mas a ensinar" (At 1:1) ele mentiu? Ele quis dizer que somente o seu relatório acerca do ministério de Cristo era correto? Como pôde ele dizer "cada coisa sem exceção de nenhuma" quando João escreveu: "Há porém, ainda muitas outras coisas que Jesus fez; e se cada uma das quais fosse escrita, cuido que nem ainda o mundo todo poderia conter os livros que se escrevesse. Amem." (Jo 21:25)?

Lucas usou a palavra tudo com o significado "um grande número". Ele realmente contou um grande número das coisas "que Jesus começou, não só a fazer, mas a ensinar" mas se fossem escritas "cada coisa sem exceção de nenhuma" "nem ainda o mundo todo poderia conter os livros" que Lucas teria escrito. Está claro que Lucas e o Espírito Santo, que o inspirou a escrever At 1:1, não pretendiam que os leitores tomassem a palavra "tudo" com o significado de "cada coisa em detalhe" ou "a totalidade" de "tudo que Jesus começou, não só a fazer, mas a ensinar".

A palavra toda também se encontra em Mt 3:5-6. "Então ir ter com ele Jerusalém, e toda a Judéia, e toda a província adjacente ao Jordão; e eram por ele batizados no rio Jordão, confessando os seus pecados". A frase "toda a Judéia" quer dizer que cada habitante da Judéia foi batizado por João no rio Jordão? A frase "toda a província adjacente ao Jordão" inclui a "totalidade" dos habitantes da região próxima ao rio Jordão? Marcos diz: "toda a província da Judéia e os de Jerusalém iam ter com ele; e todos eram batizados por ele no rio Jordão" (Mc 1:5). De fato Jerusalém faz parte da Judéia e é logicamente claro que toda a Jerusalém seria incluída em "toda a Judéia". Mateus, Marcos e o Espírito Santo pretendem que nós acreditemos que cada homem, cada mulher, cada menino, cada menina e cada criança lactante iam ter com João, confessando os seus pecados, e eram batizados por ele no rio Jordão?

Dr. Albert Barnes escreveu: "Toda da Judéia. Muitas pessoas da Judéia, não significa que todas as pessoas literalmente foram, mas grandes multidões" (anotações de Barnes, Matthew and Mark, 1964, página 25). Das frases "todos de Jerusalém", "toda a Judéia" e "toda a província adjacente ao Jordão" João Gill comentou que significam "um número muito grande deles; um grande número das pessoas de todas as partes da região. Toda, aqui, vale a "muitos" (Gills Commentary, Vol. 5, 1980; pág. 17).

Aquele que insiste que a palavra "toda", nas Escrituras, quer dizer "todos em totalidade", sem excluir absolutamente ninguém, tem que aceitar o batismo de crianças ou tem que fazer o argumento prepóstero e absurdo de que não havia nenhum bebê em todo daquele país. O Senhor nos proíbe essa tolice absurda!

Através dos versículos em que João recusou o batismo aos "muitos dos Fariseus e Saduceus" daquela região e que vinham ao seu encontro, entende-se que esse argumento é absurdo. As palavras "toda" em Mateus 3:5-6 devem ser interpretadas como "um grande número" ou "muitos". Não pode ser interpretada com raciocínio bíblico, significando "a totalidade" das pessoas daquela área.

Considere a promessa de Deus dada em Joel 2:28-29 e cumprida em Atos 2. No versículo 17, de Atos 2, Lucas registra a citação de Pedro acerca da promessa de Deus assim: "Que do meu Espírito derramarei sobre toda a carne". Deus quis dizer a totalidade de toda e qualquer carne? Deus quis dizer a carne dos homens, a carne dos peixes, a carne das aves e a carne dos animais (1Co. 15:39)? Quis Deus dizer cada homem, menino, mulher e menina desde a mais jovem até a mais velha? Ele se referia a todo e qualquer bode, babuíno, urubu e sardinha? O mundo dos não Cristãos não pode receber o Espírito. "O Espírito de verdade, que o mundo não pode receber, porque não o vê nem o conhece; mas vós o conheceis, porque habita com vós, e estará em vós." (João 14:17). Essa promessa se limita significativamente a aqueles que Deus chama à salvação. "Porque a promessa vos diz a respeito a vós, a vossos filhos, e a todos que estão longe, a tantos quantos Deus nosso Senhor chamar" (Atos 2:39).

É muito evidente que a palavra "toda" nos versículos 17 e 39, de Atos 2, tem aplicação limitada. É limitada aos Cristãos. É limitada "a tantos quantos Deus nosso Senhor chamar" e "vede irmãos, a vossa vocação, que não são muitos os sábios segundo a carne, nem muitos os poderosos, nem muitos os nobres que são chamados." (1Co 1:26). A frase "toda a carne", de Atos 2:17, é limitada aos "que são chamados" (1Co 1:24). A promessa mencionada no versículo não aponta aos judeus que vêem o Cristo crucificado como um"escândalo ", ou para os gregos (Gentios), que vêem o Cristo crucificado como "loucura" (1Co:23). A promessa é "para os que são chamados, tanto judeus como gregos" que vêem "Cristo, poder de Deus, e sabedoria de Deus" (1Co 1:24). Por favor lembre-se que esse é um caso onde a palavra "toda", de fato, refere-se à uma porcentagem pequena da totalidade da carne do homem, de ave, de peixe e de animais. Aqui, a frase "toda a carne" se refere a todos daqueles que fazem parte de uma classe ou grupo em particular ! todos os Cristãos, todos os chamados.

Uma Determinação Necessária

Deve ser determinado agora se as palavras "todos" e "alguns", em 2Pe 3:9, fazem referência a todas as pessoas do mundo em sua totalidade absoluta, sem uma única exceção. A palavra "todos" inclui aqueles homens "que já antes estavam escritos para este mesmo juízo" e aqueles "como animais irracionais, que seguem a natureza, feitos para serem presos e mortos" (Jd 4; 2Pe 2: 12)? A palavra "todos" inclui"os vasos da ira, preparados para a perdição" como também os "vasos de misericórdia, que para glória já dantes preparou" (Rm 9:22,23)? Deve determinar se a palavra "conosco", para quem Deus está longânimo, quer dizer cada pessoa que está no mundo ou a uma classe ou grupo particular de pessoas?



O TEXTO DEVE SER CONSIDERADO COM O CONTEXTO EM QUE ELE É REVELADO NAS ESCRITURAS

Paulo declara que Deus "faz todas as coisas, segundo o conselho da sua vontade;" (Ef 1:11). É verdade? Considerando que Deus faz todas as coisas segundo o conselho da sua vontade, segue-se que se ele não está querendo que ninguém da raça humana se perca, ninguem perecerá.

Deus enviou Nabucodonosor para o Seminário da Loucura. Deus fez que ele se matriculasse naquela instituição até que conhecesse "que o Altíssimo domina sobre o reino dos homens, e o dá a quem quer" (Dn 4:32). Por sete anos ele era o único estudante desta grande escola do deserto. Ele dormiu com as bestas; seu jantar era grama junto o dos bois; o seu banho era o orvalho do céu; o cabelo dele cresceu como as penas das águias; as suas unhas eram como garras de um pássaro (Dn. 4:25, 32-33). Ao término dos sete anos de treinamento intensivo, Nabucodonosor formou-se no Seminário da Loucura com o Grau distinto D.E.S (Deus É Soberano). Sendo o único estudante a se formar, Nabucodonosor foi convidado a ser o paraninfo. Essa palestra foi registrada na Palavra de Deus em Dn 4:30-37 confirmando, assim, a verdade para sempre.

Uma das declarações significantes de Nabucodonosor expôs a natureza invencível da vontade de Deus. Acerca dessa vontade de Deus ele disse: "e segundo a sua vontade ele opera com o exercito do céu e os moradores da terra; não há quem possa estorvar a sua mão, e lhe diga: Que fazes?" (Dn 4:35).

De acordo com a verdade desta declaração, sobre a vontade invencível de Deus, faz-se necessário uma aplicação limitada à palavra "todos" em 2Pe 3:9. Há uma alternativa que uni-se àquelas que ensinam a salvação universal de todos os homens. Se Deus quer a salvação de qualquer pessoa do mundo, e age de acordo com a sua vontade entre os habitantes da terra, então "todas" serão salvas, a menos que a palavra "todos" tenha uma aplicação limitada em 2Pe 3:9, como tem em At 2:17 e nos outros versículos citados. Que tal 2Pe 3:9 em consideração à vontade invencível de Deus?

Complicando o problema ainda mais para aqueles que crêem que 2Pe 3:9 ensina que é o prazer e a vontade de Deus de salvar toda e qualquer pessoa do mundo são as declarações de Davi achadas em Sl 115:3 e Sl 135:6. Na primeira referência Davi declara: "Mas o nosso Deus está nos céus: fez tudo o que lhe agradou". Na segunda referência Davi disse: "Tudo o que o SENHOR quis, fez, nos céus e na terra, nos mares e em todos os abismos." Adiciono a declaração inequívoca e explícita de Deus relativa à realização do seu querer: "O meu conselho será firme, e farei toda a minha vontade ... porque assim o disse, e assim o farei vir; eu o formei, e também o farei." (Is 46:10,11).

Se é o desejo de Deus salvar qualquer pecador desde o mais jovem até o mais velho existente no mundo sendo cada membro da raça humana, Ele fará exatamente isto, pois "o nosso Deus está nos céus: fez tudo o que lhe agradou".

Se é a vontade de Deus salvar cada representante da posteridade caída de Adão, então, cada um será salvo, pois Deus declarou explicitamente: "farei toda a minha vontade".

Não há nenhum ponto da criação de Deus que isenta a operação completa da sua vontade, pois: "Tudo o que o SENHOR quis, fez, nos céus e na terra, nos mares e em todos os abismos."

Que tal 2Pe 3:9 contextualizado com a vontade realizada de Deus? Ela ensina a salvação universal ou a certeza da salvação de todos de um grupo particular - o eleito (1Pe 1:2)? Se for concluído que as palavras"conosco", "alguns" e "todos" neste versículo (2Pe 3:9) são universais e incluem a totalidade do gênero humano deduz-se então que todo o gênero humano será salvo. Considere os seguintes silogismos. Em qual se enquadra a posição da sua doutrina?

Primeiro Silogismo

Premissa principal: É o desejo de Deus salvar cada pessoa do gênero humano de acordo com 2Pe 3:9.

Premissa secundária: Deus fará a Sua vontade de acordo com Is. 46:10-11; Sl 115:13; e Sl 135:6.

Conclusão: Todo ser da raça humana será salvo.

Segundo Silogismo

Premissa principal: É o desejo de Deus salvar todos os eleitos de acordo com 2Pe 3:9.

Premissa secundária: Deus fará a vontade de acordo com Is. 46:10-11; Sl 115:3, e Sl 136:6.

Conclusão: Todos os eleitos serão salvos.

A premissa principal em um destes silogismos é falaciosa; por isso obtêm-se uma conclusão falaciosa. As Escrituras ensinam claramente que todo o gênero humano não será salvo, pois "quanto aos tímidos, e aos incrédulos, e aos abomináveis, e aos homicidas, e aos fornicários, e aos feiticeiros, e aos idolatras e a todos os mentirosos, a sua parte será no lago que arde com fogo e enxofre; o que é a segunda morte." (Ap 21:8). Também, "Os ímpios serão lançados no inferno, e todas as nações que se esquecem de Deus." (Sl 9:17). Mais uma vez: "E aquele que não foi achado escrito no livro de vida foi lançado no lago de fogo" (Ap 20:15). A premissa principal do primeiro silogismo é falsa, então a sua conclusão também é falsa. A premissa principal do segundo silogismo é verdadeira e a sua conclusão também é verdadeira. A idéia de que as palavras "conosco", "alguns" e "todos" em 2Pe 3:9 se referem aos eleitos é consistente. Conclui-se que todos os eleitos serão salvos. Serão mesmo? Jesus disse: "Todo o que o Pai me dá virá a mim" (Jo 6:37). Ele também disse que as suas ovelhas perdidas que não eram Judias: "também me convém agregar estas, e elas ouvirão a minha voz" (Jo 10:16). Lucas escreveu sobre os Gentios que foram ordenados à vida eterna aos quais Paulo pregou em Antioquia da Pisídia. Daqueles que o ouviram, alguns foram ordenados à vida eterna, creram. At 13:48, "E os gentios, ouvindo isto alegraram-se, e glorificavam a palavra do Senhor; e creram todos quantos estavam ordenados para a vida eterna."

Ainda mais, para determinar quem são aqueles apontados pelas palavras "conosco", "alguns" e "todos" de 2Pe 3:9:


O VERSÍCULO DEVE SER CONSIDERADO DE ACORDO COM O SEU CONTEXTO

As palavras "conosco", "alguns" e "todos" de 2Pe 3:9 evidentemente referem-se às mesmas pessoas. "O Senhor ... é longânimo para conosco, não querendo que alguns (de nós) se percam, senão que todos (de nós) venham a arrepender-se". De quem Pedro está falando? É claro que no primeiro versículo ele está escrevendo aos mesmos da sua primeira epístola. "Amados, escrevo-vos agora esta segunda carta" (2Pe 3:1). Na sua primeira epístola ele os chama "Eleitos segundo a presciência (conhecimento prévio) de Deus Pai" (1Pe 1:2). A mesma palavra de At 2:23, ou seja, "de Deus Pai" (1Pe 1:2).

Deus agiu para com estes, como também agiu para com Pedro, e os "gerou de novo para uma viva esperança" (1Pe 1:3). Estas são as pessoas que têm "uma herança incorruptível, incontaminável, e que não se pode murchar, guardada nos céus para vós, ... guardados na virtude de Deus" (1Pe 1:4,5). Essa herança reservada eles obtiveram "havendo sido predestinados, conforme o propósito daquele que faz todas as coisas, segundo o conselho da sua vontade" (Ef 1:11). A fé qual Pedro menciona no versículo 5 é chamada por Paulo "a fé dos eleitos de Deus" (Tt 1:1). Pedro se refere a ela como a "fé igualmente preciosa" (2Pe 1:1), obtida "pela justiça do nosso Deus e Salvador Jesus Cristo".

Pedro também relaciona as palavras "conosco", "alguns" e "todos", em 2Pe 3:9, às pessoas a quem Deus"deu tudo o que diz respeito à vida e piedade" (2Pe 1:3). Pedro diz que Deus "nos deu" estas coisas e que Ele "nos chamou pela sua glória e virtude" (2Pe 1:3). Ele também "nos tem dado grandíssimas e preciosas promessas" (v. 4). Ele nos fez "participantes da natureza divina, havendo escapado da corrupção, que pela concupiscência há no mundo." (v. 4). Estes mesmos irmãos têm tanto uma "chamada" quanto uma "eleição" das quais eles podem ser assegurados (2Pe 1:10).

Não é claro que o "nos" de 2Pe 1:1, 3, 4 é entendido como "conosco" de 2Pe 3:9 para quais Deus é longânimo "não querendo que alguns (de nós) se percam, senão que todos (de nós) venham a arrepender-se"?

Que tal 2Pe 3:9 quando é examinado na luz de seu contexto? Que 2Pe 3:9 se refere ao eleito é substanciado ainda mais quando


O VERSÍCULO SE HARMONIZA COM OUTRAS ESCRITURAS RELATIVAS AOS ELEITOS

Certamente Jesus "salvará" o seu povo dos seus pecados. E quando todos do seu povo vierem a ele, nunca os expulsarão porque ele não quer que ninguém que faça parte daquele povo pereça. 2Pe 3:9 se harmoniza perfeitamente com Mt 1:21.

Quem é "o Seu povo" que Ele "salvará", porque Ele não quer que alguns se percam? É aquele a quem Ele mesmo deu a vida eterna. "Assim como lhe deste poder sobre toda a carne, para que dê a vida eterna a todos quantos lhe deste." (Jo 17:2).

Ele declarou ao Pai: "Manifestei o teu nome aos homens que do mundo me deste; eram teus, e tu mos deste" (Jo 17:6). Outra vez ele disse: "não rogo pelo mundo, mas por aqueles que me deste, porque são teus. E todas as minhas coisas são tuas, e as tuas coisas são minhas; e nisso sou glorificado ... Pai santo, guarda em teu nome aqueles que me deste" (Jo 17:9-11). "Pai, aquele que me deste quero que, onde eu estiver, também eles estejam comigo" (Jo 17:24).

Cristo deu a vida eterna àqueles que o Pai Lhe deu em resposta a oração de Cristo, o Pai os guarda porque Cristo falou: "os tens amados a eles como me tens amado a mim" e Deus amou a Cristo "antes da fundação do mundo" (Jo 17:23,24). Aqueles que estão em Cristo um dia estarão com Ele onde Ele está e verão a Sua glória. Ele não pediu estas coisas pelo mundo inteiro mas por aqueles quem o Pai Lhe deu (v. 9). A sua oração não se limita aos salvos que estavam com Ele naquele momento mas aos outros, que o Pai Lhe tinha dado e, segundo as palavras de Cristo: "que pela sua palavras hão de crer em mim" (Jo 17:20).

Que tal 2Pe 3:9 na luz da certeza da salvação daquelas pessoas que Deus deu a Cristo tendo em vista a salvação? Ele não quer que os seus se percam. Todos esses virão a ele, e nenhum será lançado fora ou perecerá.

Em conclusão consideraremos:


O VERDADEIRO SIGNIFICADO DE 2Pe 3:9 HARMONIZADO COM SEU CONTEXTO, A VONTADE DE DEUS E AS ESCRITURAS NUM TODO

Depois de harmonizar 2Pe 3:9 de várias maneiras fica evidente que as palavras "conosco", "alguns" e "todos" (de 2Pe 3:9) se referem a todos de um grupo específico de pessoas e não a todo o gênero humano na sua totalidade. 2Pe 3:9 ensina que Deus é longânimo, paciente e bondoso no Seu tratamento com as Suas ovelhas, Seus eleitos, que Ele deu a Cristo e quem Cristo "salvará dos seus pecados". 2Pe 3:9 ensina que Deus não quer que nenhuma ovelha de Cristo pereça, mas que todas venham ao arrependimento. Cristo irá em busca da ovelha perdida até que venha a acha-la (Lc 15:4) e achando-a, ele a porá sobre os seus ombros e a trará ao Seu lar, de forma que ela não pereça (Lc 15:5).

2Pe 3:9 ensina que todas as ovelhas perdidas de Cristo ouvirão a Sua voz, virão a ele, e entrarão no Seu aprisco (Jo 10:16). 2Pe 3:9 ensina que todas as suas ovelhas virão a Ele e Ele lhes dará a vida eterna, porque Deus não quer que nenhuma pereça.

Em resumo 2Pe 3:9 não é dirigido ao mundo perdido mas aos santos, para a sua segurança e a certeza da salvação de toda pessoa "co-eleita" em conjunto (1Pe 5:13).


UMA PALAVRA PARA OS PERDIDOS

Se você vier a Cristo, pelo arrependimento e fé, você também pode ter a garantia proporcionada por 2Pe 3:9. Deus te tratará como um Pai amoroso trata um filho comprado pelo Seu sangue precioso. Ele não permitirá que você pereça ou seja arrebatado das Suas mãos (Jo 10:27-29). Ele é o Bom Pastor que encontra cada uma das suas ovelhas perdidas, tirando-as do charco de lodo do pecado, e as coloca sobre os seus ombros e leva-as para casa.

Deus se agrada em te dar a fé dos Seus eleitos (Tt 1:1). Que os já salvos sejam como Paulo, que disse: "tudo sofro por amor dos escolhidos, para que também eles alcancem a salvação que está em Cristo Jesus com glória eterna." (2Tm 2:10).

Autor: Pr Wayne Camp

12 comentários:

Rex disse...

Max gama, os que são chamados, são aqueles que foram tocados pelo Espírito Santo e aceitaram a Cristo como único e suficiente salvador.
Deus predestinou a igreja, mas quem faz parte dela não. Não adianta vc querer se achar um escolhido a dedo, um particular que Deus tirou do mundo, só por te amar, isso é egoísmo. Deus ama a toda a humanidade e tenho certeza, de que se Ele pudesse salvaria a todos, mas seu amor não tira a opção das pessoas.
Ele prefere convencer ao invés de forçar.
Nós salvos não somos melhores do que ninguém, é absurdo querer achar que Deus pode simplesmente me escolher para ir para o céu, assim, a dedo, e manda meu vizinho pro inferno, sem lhe dar uma chance.
Por isso precisamos evangelizar, e se for verdade que Deus chama a dedo e convence com sua irresistivel graça, outra vez digo, é absurdo querer evangelizar, querer pregar sobre santidade, querer denunciar as práticas mundanas, uma vez que de nada vai adiantar, pois os que serão salvos já foram escolhidos a dedo.
O esforço dos apóstolos foi em vão, pois de que adianta, os que serão salvos já foram escolhidos. Combater a carreira, guardar a fé, como Paulo pode escrever desta forma? Uma vez que isso já foram atitudes predestinadas por Deus, pensar, porque pensar, pois de acordo com os calvinistas, somo marionetes sem vontades, sem escolhas, somos escravos forçados, e isso não aceito.
Sirvo a Deus por amor, mas não acredito que esse amor é apenas programado em meu coração, independente de minhas escolhas.

Enfim, nossa existência é vazia, se nada depende de nossas escolhas.

Rex disse...

E outra, de acordo com suas premissas nunca foi da vontade de Deus que somente a bondade existisse, pois se as vontades de Deus não levam em consideração as escolhas alheias, Deus concerteza teria feito lúcifer, adão e todos os pecadores nunca pecarem.

Max Gama disse...

Querido Irmão Rex, em primeiro lugar quero agradecer de coração sua visita à minha humilde "casinha". Em segundo lugar, não vou lhe responder, não novamente, visto que o fiz no site do Danilo,o GENIZAH. http://www.genizahvirtual.com/2011/08/deus-predestinou-alguns-para-o-ceu-e.html#comment-form
Meu querido, o seu problema é crônico de arminiano, não aceitam a soberania de Deus e acham que Ele é obrigado a dar oportunidade a todos, coisa que a Bíblia não mostra. Posto a seguir todas as respostas dadas no s comentários do site e espero que sejam suficientes... Em Cristo, Max Gama.

Max Gama disse...

Comentando o post http://www.genizahvirtual.com/2011/08/deus-predestinou-alguns-para-o-ceu-e.html#ixzz1WC0jiyWY

Aff, creio que o problema é falta da compreensão acerca da eleição e os efeitos da queda. Segundo o que li aqui, o fatalismo é evidente... o que passa muito longe de mente genuinamente reformada.
Poderia discorrer sobre o texto inteiro, mas me basta falar sobre o sofisma de Deus ter predestinado o mal, um argumento recorrente.
Pois bem, Deus decretou "PERMITIR" a queda, não decretou a queda. Não eram robôs, tinham liberdade (livre arbítrio), não havia qualquer inclinação para um lado ou outro. Tal liberdade (livre arbítrio) foi perdida na queda. Pois, daquele momento em diante, todo homem, exceto Jesus, nasceu marcado, tendencioso ao pecado. Se há qualquer tendência que possa influenciar qualquer decisão, essa não é livre. Assim, quando o homem(gênero humano) "aceita" a Jesus, não faz nada de extraordinário, pois os que são chamados por Deus não tem outra resposta que não a positiva, já que foram convencidos pelo Espírito Santo. Se o Espírito Santo não convencê⁻lo, o homem seguirá o curso normal de um pecador, morto em seus delitos e pecados e continuará sendo inimigo de Deus.
Deus não tem obrigação de salvar quem quer que seja. A graça é ministrada soberanamente, depende apenas de Deus querer usar de misericórdia!
"Que diremos, pois? Há injustiça da parte de Deus? De modo nenhum!
Pois ele disse a Moisés:Terei misericórdia de quem me aprouver ter misericórdia e compadecer-me-ei de quem me aprouver ter compaixão. Assim, pois, não depende de quem quer ou de quem corre, mas de usar Deus sua misericórdia" (Romanos 9.14-16).
Recomenda-se a leitura de todo o capítulo dentro do contexto do livro.
Que o Senhor os abençoe...
IntéMax!

Max Gama disse...

Irmã Tainá, irmã Sônia e demais irmãos... quero salientar que como um ex-arminiano, não fui convencido dos decretos eternos de Deus na eleição por quaisquer confissão reformada. O texto de Romanos me transtornou, principalmente o o nono capítulo, o trecho que transcrevi no comentário à cima. Conheci as confissões reformadas (calvinista) bem depois de ter sido convencido pelo Espírito Santo através da Palavra, que quebrantou meu coração e me mostrou a amplitude da minha salvação.
Sou grato a Ele pelo fato de me escolher, sendo eu um morto e não um moribundo. Realmente, não tenho palavras para falar da gratidão que tenho.
Deus dê aos demais irmãos a graça de entenderem que a salvação é obra total e restrita de Deus, que chama EFICAZMENTE os eleitos, não para uma passividade ética, mas para demonstrarem com a vida a riqueza da graça de quem os chamou!

Max Gama disse...

Caro irmão Rex, recomendo que lei o a carta de Judas, mais especificadamente o versos 24, que para ganhar tempo, aqui exponho rapidamente.
"Ora, àquele que é poderoso para vos guardar de tropeços e para vos apresentar com exultação, imaculados diate da sua glória".
Pois bem, há uns dois anos atrás, falando sobre a perseverança dos santos, fiz uma exaustiva exegese do texto em questão e creio que o texto é conclusivo, acompanhe:
A palavra que foi traduzida como livrar é "fulaxai" e esta forma não aparece novamente no NT. A palavra isolada transmite a ideia de que não permitirá queda. A outra palavra em questão também é única no NT, é "aptaistous" que foi traduzida como tropeço (de tropeçar). Aqui está a resposta à sua afirmação quando ao crente cair da graça. As duas palavras combinam-se e formam uma sentença no mínimo IRREFUTÁVEL. Atenção, é importante:
"àquele que nos conservará na impossibilidade da queda".
Judas não está conjecturando, mas afirmando categoricamente que o cristão, crente de fato, salvo, eleito, é guardado por Cristo na impossibilidade da queda.
O interessante é que o texto nos trás dois panoramas, o terreno, quando Deus nos guarda e o celestial, quando depois de nos conservar na fé, nos apresenta, com exultação diante da glória do Pai.


Outro texto é o de Efésios 2.6 "e, juntamente com ele, nos ressuscitou, e nos fez assentar nos lugares celestiais em Cristo Jesus.
Se for necessário, apareço por aqui novamente. Mas creio que gostando ou não, é o que o texto dentro do contexto diz, me desculpe... não mais o que dizer.
Espero ter sido claro e desejo que o Senhor lhe fale ao coração!
IntéMax!

Max Gama disse...

Ah... das exortações quanto a mortificação da carne, é muito simples. Quando um indivíduo é regenerado, é adotado no Corpo de Cristo, não igreja militante(visível) apenas, também da triunfante (a invisível, os salvos), é também santificado (separado dos rudimentos do mundo). É evidente que não é totalmente santo, mas tem em sim a capacidade de buscar a santidade. Pois a santificação é exclusividade dos regenerados.
Aí entram as exortações. Cada regenerado, através da Palavra, da oração e do Penhor da herança(garantia da salvação), o Espirito Santo que nele habita, é agora capacitado e convidado a "desenvolver sua salvação", buscar santidade, que nada mais é do que abandonar as práticas de velha criatura, substituindo-as por proceder que honre a Deus.

Max Gama disse...

Queridos irmãos, as questões que envolvem essa discussão não podem ficar apenas no que lemos aqui. O que se debate aqui é a insubordinação de Pelágio à soberania de Deus, chegando inclusive a negar a necessidade da graça de Deus para a salvação. Por mais que neguem o fato, o arminianismo é filosoficamente uma releitura do semipelagianismo que tentou harmonizar soberania com vontade do homem. Por outro lado, agostinho defendia a total liberdade e soberania de Deus em manifestar a graça. Minha gente, me desculpe, mas é Bíblia pura. Afirmar que calvinismo não é bíblico, é no mínimo falta de respeito e bom senso. Calvino não inventou nada, apenas sistematizou os escritos do apóstolo Paulo e posteriormente, de Agostinho. Não há na teologia reformada calvinista doutrina que surja de versículo isolado, texto e contexto fornecem a base necessária, a Escritura interpreta a Escritura.
Amigo Rex, qualquer exegeta sério que saiba o mínimo de coinê, concordará que não há no texto (Jd 24) qualquer condição baseada na disposição do homem em permanecer em Cristo, mas sim, ser mantido por Ele.
Quanto à santidade, é um atributo comunicável de Deus, partilhado em parte com o regenerado, que passa à partir da santificação(separação) ser capaz de desenvolvê-la. Além de ser uma experiência exclusiva dos regenerados (Rm 6.5,6,14,22; Gl 5.24; 1Ts 4.3-7; 2Ts 2.13), uma experiência sem a qual ninguém verá a Deus (Mt 5.8; Rm 6.22,23; Cl 1.9-12; 1Ts 5.23; Hb 12.14; 2Pe 3.13,14), uma experiência que vivifica e aproxima os crentes de Deus (Rm 6.12-14; 2Co 7.1), uma experiência que provoca uma contínua luta entre a carne e o espírito (Rm 7.19,23; Gl 5.17; 1Pe 2.11), é também uma experiência de vitória e crescimento em graça (At 20.32; Rm 6.14; 2Co 3.18; 1Ts 5.23; Ap 22.11,12).
Peço, leiam os textos.
O exemplo do ônibus é por demais simplório e torna Deus um mero expectador da humanidade, o que nunca foi.
Como não sei quem são os eleitos, minha função quanto pregador do Evangelho(meio ordinário para a salvação) é anunciar. Se alguém se diz calvinista e não evangeliza, digo o seguinte: DUVIDO QUE SEJA DE FATO CRISTÃO.
Calvinismo não leva à passividade ética ou ao fatalismo. Qualquer um que assim afirme, exerce o papel de velhas caducas disseminando fábulas!

Max Gama disse...

Ao amigo Vinícius:
Vejo como admirável os esforços na tentativa de defender a todo custo, inclusive prostituindo (tirando do contexto) as Escrituras, a repaginação de Pelágio. Mas o Texto Sagrado é Soberano, Soberano como o Deus do Texto. Assim, vejamos o texto: "O Senhor não retarda a sua promessa, ainda que alguns a têm por tardia; porém é longânimo para COVOSCO, não querendo que NINGUÉM se perca, senão que TODOS venham a arrepender-se."
Gente, qualquer leitor que vá ao Texto Sagrado com "armadura arminiana" corre o risco de desconsiderar o óbvio, lamentavelmente. As palavras em caixa alta assim estão para mostrar o óbvio ignorado tendenciosamente por muitos. "CONVOSCO" condiciona restringe o sentido de "NINGUÉM" e "TODOS". Dessa forma, o texto afirma que Deus não quer que nenhum daqueles a quem Pedro escreve se perca. O alcance de "TODOS" é qualificado pela palavra "CONVOSCO". O arrependimento que está em vista, por causa do qual Deus adia o juízo, é do povo de Deus, e não do mundo todo. Deus deseja que nenhum de seus eleitos se pereça (Jo 6.39).
Pensando um pouquinho: Se Deus quer, Ele faz, nenhum de seus planos podem ser frustrados. Os seus eleitos chegarão ao arrependimento, pois serão convencidos pelo Espírito Santo do pecado, da justiça e juízo. Se for diferente, como diz a teologia arminiana, Deus é um frustrado que assiste passivamente àqueles que desejava mandar para o céu irem para o inferno. Afinal, depende da livre escolha deles. Ainda bem que não dependi de decisão minha!

Como fui chamado de não-bíblico por ser calvinista, creio que não há mais em que possa contribuir. Afinal, qualquer pensamento não bíblico deve ser rejeitado. Assim, me retiro.
Até outra oportunidade.

Rex disse...

Max, seu problema é crônico de calvinista. Não consegue relacionar a soberania de Deus à possibilidade de o homem poder ou não escolher. Entenda, sei que se Deus quiser Ele pode salvar a todos, sei também que se Ele quiser, faz como bem entender. Mas uma coisa é Deus desejar, outra é Deus fazer. O que for de sua vontade perfeita, Ele faz e pronto. Com certeza, Deus desejava ao criar o homem que este nunca o rejeitasse, que os anjos nunca o rejeitassem, mas o princípio do amor que Deus queria era o perfeito, ou seja, o voluntário, não o forçado, o mecânico. Se Deus chama assim, a dedo, então o amor que vc sente por Ele, que eu sinto por Ele, é esse amor forçado, mecânico. Creio que o amor de Deus nos constrange, mas não nos obriga. Louvado seja Deus pelo seu Espírito que nos convenceu.

E vc não vai me responder mais porque a conversa vai longe né, sempre há a alternativa para me defender né.

É melhor parar mesmo, um dia saberemos, acredito, qual realmente era o propósito de Deus nesse negócio, por enquanto, sigo minha consciência, transformada pelo Espírito e pela Palavra. Tirando esse detalhe da predestinação, estamos no mesmo caminho.

Rex disse...

Max, esqueça o arminianismo, pelagianismo, nós, que cremos na predestinação de outra forma, não estamos nem aí para eles, discordo com muito do que eles falam, talvez nossas lógicas se cruzem em alguns pontos, mas é no mesmo sentido que o calvinismo se cruza com nosco em alguns pontos.

Quanto a possibilidade de queda de Judas, sempre haverá a possibilidade da seguinte interpretação.

Ele nos protegerá, se nos mantermos nele. A queda nunca virá, se prosseguirmos em o buscar, em nos relacionar com Ele.

Quanto ao livre arbítrio, concordo com vc que temos a tendência ao pecado, reconheço que nesse sentido jamais poderíamos nos aproximar novamente de Deus, mas o Espírito Santo, oh Maravilhoso, este veio ao nosso encontro, através da Palavra, e nos convenceu. Mas acredito que esse convencimento respeitou minha vontade, ou seja, o Espírito Santo, através da palavra me deu a oportunidade, abriu meus olhos, me fez enchergar minha situação e da mesma forma que no gênesis, me deu a escolha. Agora, cada um faz a escolha que quer, eu escolhi a graça. Mas ao aceitar Jesus descobri que foi Ele quem me escolher, pois já havia predestinado a igreja, ou seja, todos que aceitaram.

Agora vou indo, Deus abençoe, e se eu estiver errado, que Ele me faça cair na real.

Max Gama disse...

Querido irmão, agradeço sua participação e espero vê-lo mais vezes por aqui.... sinta-se em casa.
Trilhamos o mesmo caminho em direção ao ALVO. Assim, creio que alguns outros posts podem lhe agradar ou não...srsrsr!
Mais uma vez, muito obrigado.
Em Cristo, Salvador nosso e da Igreja,
Max Gama.