sexta-feira, 18 de março de 2011

Questionamentos Sinceros



Neste post, tento responder brevemente uma série de questões nascidas nos comentários do último, post. Para tal, transcrevi o comentário na integra e continuo a raciocínio.
Espero que ajude!


COMENTÀRIO:
Fala, meu amigo! Excelente texto! Muito bem-humorado e à luz da Palavra de Deus. Realmente só falta igreja "Intergalática" se é que já não inventaram. Mas como você disse que o texto também era para "proporcionar um momento de crítica a nós mesmos," gostaria de deixar umas questões para autoanálise. Qual a nossa postura diante das distorções que se fazem com o evangelho? Até que ponto somos responsáveis pelo avanço dos que se aproveitam da fé? Será que eles estão ocupando um espaço porque NÓS não o ocupamos? Se nós conhecemos a Verdade, por que não temos mais ousadia do que eles, que pregam o engano? Por que não temos investido o mesmo tempo, dinheiro e esforço do que eles para fazer novos discípulos? Se por um lado eles vivem "reinventando" a fé, será que não estamos vivendo a mesma "fé" de sempre? Não deveríamos reavaliar (não reinventar) nossa fé e nossas obras? Estamos seguindo a Deus ou uma religião? Será que o cristianismo de hoje realmente tem a ver com o que Cristo ensinou? Por que não lemos mais os evangelhos? Por que queremos adotar práticas e símbolos judaicos se somos gentios? Quem vai encarar uma circuncisão aí? Shalom! rsrs... Enquanto os charlatães enganam os outros, não estaríamos enganando a nós mesmos? Realmente sabemos o que e porque exatamente fazemos o que fazemos? Por que não se prega mais sobre amor, salvação, arrependimento, perdão, céu e inferno? Será que temos feito a vontade de Deus ou a nossa própria vontade usando nome de Deus? Será que vivemos um evangelho do "cada um por si e Deus por todos"? Onde está o amor ao próximo? "Se alguém diz: Eu amo a Deus, e odeia a seu irmão, é mentiroso. Pois quem não ama a seu irmão, ao qual viu, como pode amar a Deus, a quem não viu?" João 4.20 "Nem todo aquele que me diz: ‘Senhor, Senhor’, entrará no Reino dos céus, mas apenas aquele que faz a vontade de meu Pai que está nos céus." Mateus 7:21 NVI "E Jesus disse-lhe: Amarás o Senhor teu Deus de todo o teu coração, e de toda a tua alma, e de todo o teu pensamento. Este é o primeiro e grande mandamento. E o segundo, semelhante a este, é: Amarás o teu próximo como a ti mesmo. Destes dois mandamentos dependem toda a lei e os profetas" Mateus 22.37-40


ESCLARECIMENTOS:
Belo comentário Silvinho. Suas perguntas são realmente pertinentes. E embora eu discorde do pensamento de generalização, como se todas as igrejas fossem assim, há algumas verdades no que comentou, principalmente, os questionamentos, mas é preciso guardar algumas excessões.
"Ainda existem alguns que não se dobraram a Baal"
Respondendo seus sinceros "por quês", digo:
1 - É comum, do ponto de vista "gospel", orar pela conversão desses "desviados" da fé. Mas antes é necessário que haja quem ensine corretamente. Caso contrário, para onde voltará o egresso? Sendo assim, a resposta é simples, precisamos perseverar na fé e sã doutrina, denunciando o que não condiz com o VERDADEIRO CRISTIANISMO (escrevi assim, pois já existe cristianismo pirata). "sê fiel até a morte e dar-te-ei a coroa da vida" (Ap 2.10). Temos que ser intransigentes sim, toda igreja que transigiu, está hoje em apuros.


2 - Temos nossa parcela de responsabilidade, é inegável. Porém não podemos esquecer que "cada um dará contas de si mesmo a Deus" (Rm 14.12). Freud estava certo em parte, quando a firmou que o indivíduo é produto do seu meio, digo em parte, pois as excessões falam por si. Olhe pra mim, fui criado na quadra da Beija-Flor, entre compositores, como você bem sabe, no entanto não sou compositor ou sambista, sou Ministro do Evangelho. O meio não me fez! Quanto a ocupar espaços, não creio que ocupem espaços que deixamos, entendo que a proposta da confissão positiva (triunfalismo e prosperidade) é muito agradável do ponto de vista prático. Querem as bençãos de Deus e não obedecê-lo, ser filho sem imitá-lo! Esses que adentram tais movimentos, são os mesmos que num futuro breve, estarão destruídos e conhecidos como desigrejados. Faça uma pesquisa, e verá que a maioria dos que hoje não estão na igreja, estão decepcionados por não ter recebido o que o "pastor" disse que Deus prometeu.


3 - Falando de empenho é realmente admirável o esforço dos TJ's. No sol e chuva que for divulgando os ensinos espúrios de Rutherford. Na verdade, sinto vergonha de responder esse ítem, mas como é pra rasgar o verbo, façamos. O grande problema, sem generalizar, é a passividade ética, uma vez que confiados na graça de Deus, relaxamos com a urgência da Missão. Talvez fosse diferente, se como os TJ's, vivêssemos amedrontados com um Jeová que possa nos encontrar indignos. Resposta sucinta, nos falta vergonha na cara(me ponho aqui)!     


4 - Desculpe-me, mais esse é novamente generalismo. Nem todos pararam, e assistem a "caravana" passar, tem muita gente séria envolvida com evangelismo. Falarei do que me é peculiar. A IPB (Igreja Presbiteriana do Brasil), da qual sou Ministro, investe 51% de tudo o que o Supremo Concílio arrecada em missões e evangelização. O meu trabalho aqui em Itaguaçu e filho de tal filosofia, não podemos colocar todos no mesmo saco!


5 - Discordo do pensamento que é problema ter a "mesma fé de sempre". Sou radical no que diz respeito a prática cristã e exercício da fé, sou quadrado mesmo. Não precisamos (igreja) nos adequar ao que o "mercado" espera. Esse é o grande e grave erro que desfigurou a igreja nos últimos 30 anos.
É triste acompanhar igrejas históricas, firmes doutrinariamente e com liturgia bíblica abrindo concessão e desvirtuando convicções, em busca de uma membresia, que na maioria das vezes quer poltronas o mais confortáveis  possível; assistir o grupo musical tocar lindamente, musicas que prometem absurdos que Deus nunca prometeu; ver o grupo de coreografia, na minha opinião, outra aberração no culto, com a finalidade de dar ao jovem e adolescente o fazer "pra Deus" uma vez que, no evangelismo, poucos se comprometem; ouvir o "pastor" "pregar" uma mensagem que agrade ao ego, não exponha suas mazelas, nem os chame à responsabilidade; achar tudo lindo, chorar, ir pra casa e no dia seguinte não lembrar de exatamente NADA do que ouviu. Não querendo generalizar, mas creio que precisamos de outra reforma, um avivamento genuíno, retorno à pratica do jejum sem barganha, leitura bíblica devocional. Precisamos retornar à simplicidade do Evangelho sem misturas, não reinventar a fé ou prática liturgica. Essa é a verdadeira reavaliação da fé (desabafei!).


6 - Creio que todo crente MADURO tem total condição de avaliar a quem obedece ou segue, "O próprio Espírito testifica com o nosso espírito que somos filhos de Deus." Romanos 8.16. Tristemente, condicionamos o "intelecto" a entender que religião é ruim. Não podemos esquecer do valor normativo da religião como um todo, e mais, principalmente quando é a verdadeira. A verdadeira religião vem de um coração honesto. A Bíblia diz em Isaías 29:13 “Por isso o Senhor disse: Pois que este povo se aproxima de mim, e com a sua boca e com os seus lábios me honra, mas tem afastado para longe de mim o seu coração, e o seu temor para comigo consiste em mandamentos de homens, aprendidos de cor.” 
A verdadeira religião está focada em Jesus e não em filosofias. A Bíblia diz em Colossenses 2:8 “Tendo cuidado para que ninguém vos faça presa sua, por meio de filosofias e vãs sutilezas, segundo a tradição dos homens, segundo os rudimentos do mundo, e não segundo Cristo.”
A verdadeira religião produz frutos espirituais. A Bíblia diz em Mateus 21:43 “Portanto eu vos digo que vos será tirado o reino de Deus, e será dado a um povo que dê os seus frutos.”
A verdadeira religião é ajudar os outros e manter-se fiel ao Senhor. A Bíblia diz em Tiago 1:27 “A religião pura e imaculada diante de nosso Deus e Pai é esta: Visitar os órfãos e as viúvas nas suas aflições e guardar-se isento da corrupção do mundo.” Mais uma vez, não podemos generalizar, nem todos pregam a mesma coisa. Lembrei-me de Paulo: " Admira-me que estejais passando tão depressa daquele que vos chamou na graça de Cristo para outro evangelho" Galatas 1.6. Poderia estender e muito essa resposta com a exegese do próximo versículo, mas não é esse o objetivo.



7 - O amor meu amigo, esfriou-se como deveria ser, está escrito, é Bíblia!
A grande maioria entra na igreja sem falar com ninguém, justamente pra não se envolver em problemas maiores que os seus. Assim, conservam o álibi da ignorância, "é mesmo? eu não sabia disso meu irmão!". Não sabia por fazer questão!


Os demais questionamentos, não os respondi, julgando tê-lo feito anteriormente, ou por concordar com o dito. 


Sejamos firmes questionadores, mas busquemos juntamente, cumprir cabalmente nossas responsabilidades.
Que o Senhor nos ajude!

4 comentários:

Anônimo disse...

Faaala Max!

Talvez eu não tenha me expressado direito ou você não tenha me compreendido, ou as duas coisas, hehehe...

Eu não disse que nós, os históricos, não investimos na expansão do Reino nem que ficamos parados vendo a caravana passar, mas afirmei que eles, os profissionais da fé, investem muito mais do que nós, independentemente das doutrinas que pregam e se estão enganando ou não.

Na questão de a "mesma 'fé' de sempre", não me refiro à liturgia, mas à vida cristã, que com o passar do tempo se acomoda às atividades da igreja. Vou reformular a pergunta. Enquanto eles sofrem metamorfose contínua, não seria importante parar para pensar se não estamos no extremo oposto, engessados por uma questão de apego e comodidade a uma religiosidade rotineira, mecânica, automática e impensada? Uma "fé" que só se torna "de sempre" exatamente por ser reproduzida de maneira impensada.

Você sabe que a religiosidade vazia pode ter uma liturgia tradicional ou trenzinho no meio da igreja. A religiosidade não está na liturgia, mas na pessoa que segue mais os rituais do que a Deus.

Quando falo sobre reavaliar a fé e as obras, aí, sim, me refiro ao que você falou, um avivamento, uma nova reforma, não nos sistemas eclesiásticos, mas uma reforma na vida pessoal.

Acho que foi só nessas duas coisas que não me expressei direito.

Então é isso!

Abração!

Max Gama disse...

Entendo, a questão do investimento deles é bem simples, todo "negócio" precisa de uma boa dose de investimento ou fecha. Não podemos nos impressionar com o vulto investido, uma vez que não contamos com emissoras de tv ou editoras pra lavar o dinheiro arrecadado em ofertas "voluntárias" de R$900,00 ou em "desafios".
Como você já sabe, estão abrindo Franquias, não igrejas. Portanto, o modelo famigerado deles não nos importa.
Falando da fé, toquei em liturgia por notar que, além de expressar o exercício religioso, é por onde os sapos-boi são engolidos. Mantenho! A sua observação sobre mecanização está quase perfeita, mas não considerou que a liturgia expressa a cosmovisão!
Abração meu amigo!

Elizeu disse...

Admiro muito o trabalho religioso voluntário. Tanto que uma das minhas maiores admirações são as Testemunhas de Jeová. Acho lastimável, porém, que a maioria das pessoas com quem converso sobre o assunto tem informações superficiais geradas por pura falta de informação ou por informações deturpadas de ex membros da organização que sairam por qualquer motivo que seja. É uma matemática simples: Se vc quiser saber sobre a Sony, vai procurar a Philips?! Se quiser saber do Mc Donald's, vai procurar o Bob's?! Então, se vc quiser saber mais sobre os assembleianos, procure uma Assembléia de Deus. Se quiser saber sobre os metodistas, procure uma Igreja Metodista. Se quiser saber sobre as Testemunhas de Jeová, procure um Salão do Reino. Se quiser conhecer mais sobre Deus, leia a Bíblia.

Max Gama disse...

Olá Elizeu, quanto tempo.... saudade rapaz.
Quanto ao teu comentário, reafirmo que realmente é admirável o afinco dos TJ's. Mas é inegável o ensino espúrio e tendencioso, e outra coisa, sabemos bem que não nada de voluntário. Na verdade, carecem de orações, sofreram uma eficaz lavagem cerebral, e toda vez que os argumentos cessam a conversa acaba. É interessante que o argumento é sempre o mesmo: "não há validade nas palavras de um dissidente que encontrou a verdade". O Corpo Governante fez muito bem o seu trabalho.
Como você é um inquiridor, recomendo que leia um blog muito bom para esses assuntos, que aliás é de um "dissidente infiel". http://mcapologetico.blogspot.com/